Imagem-site-Penha.png


PALCO PAPO RETO

 

Penha (RJ)

 

19/08 O Black é a Coroa

Thelma Assis (médica)
Jailson de Souza e Silva (Obs. Favelas da Maré)
Gaby Amarantos (cantora)

Nesta painel, a eterna musa do Jurunas e do tecnobrega paraense Gaby Amarantos convida a médica e vencedora do Big Brother Brasil 20, Thelma Assis, e o geógrafo, educador, ativista social e um dos idealizadores do Observatório de Favelas da Maré, Jailson de Souza e Silva, para um papo reto sobre representatividade negra, recuperações históricas, ampliação dos espaços de falas negras na TV e em outras esferas.

Sobre a penha (RJ)

Diferente de outras comunidades cariocas, que cresceram depois dos anos 1860/70, o Quilombo da Penha (hoje chamado de Vila Cruzeiro, carinhosamente tratado como Penha) foi refúgio para ex-escravos desde o início do século XIX. A Penha tem grande importância na difusão do samba e do Carnaval, através do movimento profano e multicultural que circundava a festa religiosa anual da igreja matriz. As ruas da Penha serviam de termômetro do samba que estouraria no Carnaval de cada ano. Isso no início do século XX. Desde então, a terra é reduto de artistas de toda ordem, e segue sendo termômetro de tendências do samba e de outros estilos, como o funk. Penha é a comunidade mais preta do Rio de Janeiro. Ali surgiu o Cacique de Ramos e lá viveram os mestres Touro e Dentinho (os primeiros a levar a capoeira para fora do Brasil). Terra de Rennan da Penha, DJ Byano, de Adriano Imperador e do Baile da Gaiola.

Cadastre-se para receber
notÍcias e promoções