Por Pedro Antunes – Rolling Stone

Desenhada com peso, a canção tem explosões como os disparos narrados pelo rapper. Sangra na distorção e nos seus versos. Raivosa, sim, porque é que “rasga, mata e cala”, como diz o refrão.

“Se as armas libertassem, a fábrica da Colt era o Jardim do Édem”, diz BK. Parece óbvio, certo? Mas, pelo visto, o dedo ainda precisa ser colocado nessa ferida.

Em tempos de debate político intenso, há quem esqueça do lado social das discussões. A vida que se esvazia com o sangue jorrado por um buraco de bala. BK e Scalene trazem o problema mais para perto. A questão é urgente e precisa ser tratada.

A parceria com BK se deu rápido, porque o rapper e a banda estarão no alto dos palcos do Lollapalooza Brasil, a ser realizado entre os dias 5 e 7 de abril, no Autódromo de Interlagos. Scalene se apresenta sexta, 5, às 14h. Mais ou menos no mesmo horário, às 14h10, no domingo, é a vez de BK.