Por Pedro Antunes – Rolling Stone

A APCA, Associação Paulista de Críticos de Arte, se reuniu, na noite desta segunda-feira, 9, para a votação dos destaques do ano de 2019. E o rap dominou as principais categorias disputadas em música popular. O trio formado por DjongaBlack Alien e Emicida foi lembrado.

Djonga foi eleito o artista do ano, graças à força do disco Ladrão e aos shows intensos realizados em todo o País ao longo de 2019.

Black Alien teve o álbum Abaixo de Zero: Hello Hell, lançado em abril deste ano, celebrado como o melhor de 2019. Trata-se de um trabalho corajoso, honesto, preciso e belamente produzido por Papatinho, em parceria com o rapper.

Emicida, que também lançou o poderoso disco AmarElo, foi o vencedor na categoria de melhor show, pela performance catártica no Theatro Municipal de São Paulo, em novembro. “Nos vemos nos livros de história”, disse o rapper, na ocasião.

Nas vitórias além-rap, Beth Carvalho foi homenageada com o Grande Prêmio do Crítica – uma das mais importantes vozes do samba, Beth morreu em abril deste ano.

Pabllo Vittar, recentemente elogiada pela Rolling Stone EUA, fez igualmente um bom ano e voltou a ser votada pela APCA, desta vez na categoria de clipe do ano, com o vídeo para o futuro hit do verão “Amor de Que”.

O júri da APCA deste ano, nas categorias de música popular, foi formado por Adriana de Barros (UOL), Alexandre Matias (Trabalho Sujo), José Norberto Flesch (Destak), Marcelo Costa (Scream & Yell), Pedro Antunes (Rolling Stone Brasil) e Tellé Cardim.

A cerimônia de entrega dos prêmios da APCA será realizada em 17 de fevereiro de 2020, no Teatro Sérgio Cardoso.

Vencedores da APCA em música popular:

Grande Prêmio da Crítica:
Beth Carvalho

Artista do ano: 
Djonga

Melhor álbum: 
Abaixo de Zero: Hello Hell, do Black Alien

Melhor show: 
Emicida no Theatro Municipal (SP)

Revelação:
Ana Frango Elétrico

Música/Clipe do Ano:
“Amor de Que”, Pabllo Vittar

Projeto Especial
Itamar 70

Homenagem (In Memoriam):
Walter Franco

Votaram: Adriana de Barros (UOL), Alexandre Matias (Trabalho Sujo), José Norberto Flesch (Destak), Marcelo Costa (Scream & Yell), Pedro Antunes (Rolling Stone Brasil) e Tellé Cardim.