Programado para ocupar a capital federal entre os dias 14 e 19 de novembro, o Festival Favela Sounds é dividido em três etapas.  A primeira etapa, Ralação, acontece entre os dias 14 e 18 e é voltada para as oficinas profissionalizantes. A ideia é promover um intercâmbio de experiências, reunindo alunos que já dialogam com os temas propostos e apresentando a eles outras abordagens dentro daquela linguagem artística. As oficinas serão de música, moda, grafite e dança. Logo, a ideia é dar ao dançarino de break, uma noção de dança afro, e assim por diante.

As quatro oficinas programadas para o festival acontecerão, respectivamente, na Casa de Cultura Carlos Marighella (Mestre D’Armas), Casa Frida (São Sebastião), Jovem de Expressão (Ceilândia) e Escola CEF 120 (Samambaia). Saiba mais clicando aqui.

A segunda etapa, Papo Reto, é voltada para os debates. Aqui o foco é trazer à tona os temas que circulam por meio da produção cultural de periferia, assim como discutir o próprio fazer cultural dentro das favelas. Coordenadas pelo Mestre em Antropologia Urbana, Dennis Novaes, as conversas acontecerão no Auditório II do Museu da República e terão como temas “De Baile em Baile”, sobre economia cultural na favela, “É Som de Preto, de Favelado”, que trata de representatividade na produção cultural de periferia e “A Porra da Buceta é Minha”, que discute arte e performances de gênero nas quebradas. Saiba mais clicando aqui.

As inscrições para as atividades estão abertas até o dia 10 de novembro, e podem ser feitas de forma simples no link: https://www.sympla.com.br/papo-reto-e-ralacao—oficinas-e-debates-favela-sounds__98584 . O público conta com 80 vagas em oficinas e 600 vagas para os debates do festival.